Rugby Mania

Daniel Fonseca

Jogador da UFF-Niterói Rugby, conhecido como Jaca. danielfonseca@rugbymania.com.br

Twitter Daniel Fonseca

Colin Woodbury Turnbull, um mito do Rugby brasileiro.

março 19, 2012 às 21:52h
Notícias
Tags: ,

Colin foi um dos maiores jogadores de rugby e handball que o Brasil já teve e uma verdadeira lenda não só do Niterói Rugby, mas do esporte amador. De família britânica, Colin começou a jogar rugby junto com seu irmão Ian no time da Associação Atlética Rio Cricket. Foi na casa de Ian que foi criado o Niterói Rugby Football Clube em dezembro de 1973, do qual ele e seu irmão foram dois dos fundadores.

Jogando de centro (nº 13), alto e forte, Colin se destacava também pela sua habilidade. Foi um dos heróis das primeiras conquistas do Niterói Rugby: o campeonato brasileiro da 2º divisão já no primeiro ano de existência em 1974, e o título brasileiro da primeira divisão em 1976 e 1978. A linha do Niterói Rugby desses anos marcou época e até hoje é lembrada: a dupla de centros Pedro Cardoso (primeiro centro) e Colin (segundo centro), recebendo bolas do abertura Zé Ricardo, e abrindo para o Maurício “Escrema” na ponta, aterrorizava os adversários que dificilmente conseguiam conter os ataques do Niterói Rugby. Para completar o fullback Ian Turnbull tinha total tranquilidade para jogar atrás dessa muralha e apoio completo nos chutes, a única maneira que os adversários conseguiam passar. Como lembra Ian, um dos heróis daqueles grandes anos, e irmão de Colin: “Era uma sensação fabulosa vendo o Pedro e Colin avançando e passando a bola até, de forma totalmente surpreendente e inesperado, devido ao seu entendimento e entrosamento no Handball, segurar bola de Rugby com uma mão e passar pelas costas, sem olhar. Era lindo de assistir.”

Definitivamente um dos melhores jogadores de rugby do Brasil, Colin integrou diversos selecionados como a Seleção Brasileira Juvenil que disputou o II Campeonato Sul Americano Juvenil de 1974 (quando o Brasil ficou em 4º lugar após vencer o Paraguai por 17 X 7), Seleção Carioca de 1978 e a Seleção Brasileira Principal em 1977 e 1979.

Professor de Educação Física, Colin foi responsável pela criação de escolinhas de Rugby nos colégios da cidade que revelaram jogadores que fizeram com que o Niterói Rugby se tornasse a maior potência do Rugby Brasileiro na década de 80.

Mas Colin também brilhava nas quadras do handball, inicialmente jogando pelo Flamengo e em 1981 jogando pelo time recém criado de Handeball do Niterói Rugby – a “fábrica de títulos”, pelo qual foi Bi Campeão Estadual em 1981 por antecipação após vencer o Flamengo por 13 x 12. Diversas vezes convocado para a Seleção Brasileira de Handball, Colin participou do selecionado vice-campeão Pan Americano em 1981 e da Copa Latina, na Itália, na cidade de Teramo em 1974. Jogando certa vez na Europa, Colin foi considerado o terceiro arremesso mais potente do mundo.

Em 20 de março de 1982, o carro em que Colin viajava para Cachoeira de Macacu foi atingido por um caminhão e o Niterói Rugby perdeu um dos seus maiores jogadores e amigos. Ele morreu com 27 anos. O desastre sensibilizou todos que o conheciam. Em sua homenagem foi realizado um jogo de handball em 26 de março entre Niterói Rugby e Seleção Carioca com vitória do Niterói por 22 a 13.

A Associação Brasileira de Rugby – ABR – instituiu em sua homenagem um troféu a ser dado ao melhor jogador de cada temporada a partir daquele ano. O “Troféu Colin Woodbury Turnbull” foi entregue aos seguintes jogadores nos quatro anos seguinte: Paul Bishop (SPAC) 1982, Cláudio Furusho (Alpha) 1983, Guy M. Cowan (SPAC) 1984 e Mário Domingues (Band) 1985. O troféu ainda existe e está em boas mãos.

No estádio Caio Martins, em Niterói, foi construída uma quadra de futebol de salão, handball e basquete, inaugurada pelo então secretário de esportes Jorge Roberto Silveira, batizada de “Quadra Polivalente Professor Colin Woodbury Turnbull”. A quadra existe até hoje e uma placa eterniza a homenagem.

O legado que Colin deixou foram seus muitos e grandes amigos, além das histórias lendárias. Após seus falecimento, foi realizado um jogo em sua homenagem e no terceiro tempo todos os jogadores foram para o tradicional restaurante Steak House, em Icaraí. Num dado momento, um dos jogadores decide refazer um tradicional brinde escocês que consiste em levantavar o copo, bradar “Viva o Rei da Escócia”, beber e jogar o copo por trás do ombro para ser quebrado pois dele ninguém mais pode beber.

niteroi_rugby_arquivo_70_rm

O primeiro então se levanta da cadeira e grita: “Ao Colin!!!!”, e um primeiro copo é quebrado. Todos os outros passam a repetir o gesto, primeiro com os copos, mas logo depois também com os pratos, cadeiras e o que tivesse pela frente. Lá pelas tantas, alguém procura o Sr. Élton, dono do restaurante e amigo do pessoal, preocupado: “Faça alguma coisa. Eles estão quebrando tudo.” Élton não tem dúvidas, pega um copo e grita: “Ao Colin!”. E mais um copo é quebrado.

Amanhã, dia 20/03/2012, os veteranos do Niterói Rugby irão se reunir no Steak House para mais uma vez beberem em homenagem à Colin Turnbull, esse jogador que deixou seu nome na história do esporte.

Fonte:  Niterói Rugby.

Compartilhe
Facebook Twitter Email Delicious

3 Comentários

  1. Bulldog disse:

    muito legal este texto sobre Collin, me emoc,ionei ao ler, Collin foi meu professor no Marília Mattoso e melevou a jogar Rugby, joguei ao seu lado e foi meu treinador na seleção carioca e não só foi um grande atleta como tambem um ser humano sensacional, a ultima vez que o vi dias antes de sua morte estava indo levar um grupo de crianças especiais para acampar como voluntário,esse era o Collin…

  2. IAN D. TURNBULL disse:

    Sou irmão do Colin.
    Fico feliz e agradecido pela publicação da matéria e a lembrança do Colin. Feliz porque sei que o Colin está feliz ajudando o “time lá de cima”. Jamais ele largaria o esporte, as crianças deficientes e sâs que ele tanto ajudou por aqui.
    Valeu.
    Ian Turnbull (Niterói Rugby FC 1873 – 2013)

Comente

*
*

Cadastre-se em nossa newsletter E-mail