Rugby Mania

Rodrigo dos Reis

Alguém que sempre procurou entender, praticar e pregar os valores de um rugbier, mesmo antes de sê-lo. Primeira-linha por convicção, paixão, conveniência e (in)capacidade física. O miolo do scrum é onde o rugby acontece, onde o Terceiro Tempo padece! Rugbeer, Dirigente, Administrador de Empresas, voluntário e profissional com a mesma essência. rodrigoreis@rugbymania.com.br

Twitter Rodrigo dos Reis

O Rugby & Eu

janeiro 26, 2012 às 12:04h
Notícias

Quem leu o best seller de John Grogan (ou assistiu sua adaptação para as grandes telas) – Marley e Eu, sabe exatamente como o rugby envolve as pessoas que tem o prazer de conhecê-lo e praticá-lo. Aparece na nossa vida de maneira despretensiosa, muitas vezes ao acaso e, em pouco tempo, toma conta dela. Não somos nós que escolhemos o rugby, é ele que nos encontra, nos conquista e nos torna dependente de suas práticas, ensinamentos e experiências.

Um trecho do próprio livro, quando Marley passa a fazer parte da família, traduz de maneira fiel aquilo que acontece com as pessoas que tem a oportunidade de conhecer o rugby: “Dentro de algumas semanas, mal conseguíamos nos lembrar como era a vida antes de nosso novo morador chegar”. Assim é o rugby!

Com o passar do tempo, tudo gira em torno dele: nossos amigos são do rugby.  Os colegas de trabalho, namorada(o)s, sócios, compadres, comadres e afilhados, todos fazendo parte de um grupo onde o rugby é o bem comum, o laço que estreita relações, o catalisador de afinidades.

Que outra oportunidade teríamos para conhecer pessoas tão diferentes da gente? Etnias, classes sociais, profissões, tradições, características físicas, humor, modo de pensar, modo de viver… É o rugby nos abrindo portas, dando oportunidades, fazendo-nos crescer como homens, desenvolvendo-nos como indivíduos!

Ele cresce. Exige mais. Dá mais em troca. Bagunça tudo, muda prioridades, faz-nos conhecer pessoas, lugares, culturas diferentes. Possibilita viagens, encontros, conversas, porres, hematomas. Mostra-nos o verdadeiro sentimento de doação, respeito, lealdade. Algo que vemos crescer a cada dia, fortalecido pela união e a busca incessante dos louros do dever cumprido, o treino encerrado, a meta alcançada.

Com o tempo, as atividades vão esmorecendo, a intensidade vai diminuindo. Os joelhos doem, as costas doem, os ombros já não alcançam os lustres para a troca das lâmpadas, os dedos da mão aparecem como a materialização do alfabeto: dedos em formato de “S”, “C”…

As restrições aumentam, o ritmo cai, as partidas exigem mais… O ataque da renovação já passou dos 22 metros e está alcançando nosso in goal. Correm os anos e quarenta minutos já são suficientes para sentirmos a alegria de uma partida completa. Depois, o Terceiro Tempo é nossa partida completa! E o rugby sempre conosco, nosso amigo de fé, nosso fiel escudeiro.

Vão-se os scrums duros, ficam os ensinamentos. Saem os tackles contundentes, mas tudo aquilo que aprendemos e conquistamos na companhia do rugby permanece. As participações em campo diminuem no mesmo compasso em que trabalhamos para que outras pessoas aproveitem a oportunidade que tivemos: conhecer o melhor esporte do mundo!

Assim como o livro, a rugby nos faz pensar na brevidade da vida. Mostra-nos o que realmente importa, quem realmente vale a pena mantermos ao nosso lado durante o caminho rumo ao in goal da nossa existência. E quando finalmente alcançamos a linha e fazemos o try, ele já não importa mais… Importa mesmo é fazer valer a pena o caminho até ele!

Compartilhe
Facebook Twitter Email Delicious

10 Comentários

  1. Alberto Hansen Neto disse:

    Parabéns pela estréia Rodrigão. Excelente texto e, além de tudo, 100% verdade!

    Aproveitando… feliz aniversário Gordão! Muitas alegrias. Não vou te desejar saúde… só um fígado novo já tá de bom tamanho. Abraço

  2. Alexandre Boll disse:

    Exatamente Digão!!!

  3. juliana disse:

    puxou a mamãe bjssss

  4. juliana disse:

    É sempre emotivo ler teus textos,e é sempre com imensa alegra entendê-los.

  5. Uary Gondim disse:

    Boa Digo, sou fã dos três, do rugby do livro e de ti meu velho hehehe. Feliz aniversário e até mais tarde !

  6. Rosaura Reis disse:

    Digo querido!
    Foi uma surpresa maravilhosa ler este texto, parabéns. Continua escrevendo, muito bom.

  7. Juan Frota disse:

    Boa Rodrigão… Saudades irmão.

  8. Karlla Davis disse:

    Que texto ótimo viu Rodrigo!!! Estou torcendo para ver o próximo 😀

Comente

*
*

Cadastre-se em nossa newsletter E-mail